O Operário de Várzea Grande, do Mato Grosso, sofreu uma baixa na sua fonte de renda após confirmar a contratação do goleiro Bruno. A Cooperativa Sicredi suspendeu nesta segunda-feira (20) o patrocínio ao clube após o anúncio do novo reforço do time.

Além do patrocinador, torcedoras e o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de Mato Grosso ficaram revoltadas com a chegada do jogador, de 35 anos.

Bruno foi condenado a mais de 20 anos de prisão pelo sequestro, homicídio e ocultação de cadáver da ex-namorada, a modelo Eliza Samúdio, em 2010. No ano passado, ele obteve a progressão da pena passando para o regime semiaberto pela Justiça de Minas, onde estava preso na cidade mineira de Varginha.

No início de 2020, ele conseguiu autorização judicial para morar no Mato Grosso e poder jogar no Operário. Antes do acerto com o clube mato-grossense, o goleiro chegou a negociar com o Fluminense de Feira para a disputa do Campeonato Baiano.

No comunicado da suspensão do patrocínio ao site “Uol Esporte”, a assessoria de imprensa do Sicredi destacou que o valor é pago à Federação Mato-Grossense de Futebol e repassado aos clubes. A cooperativa também determinou que sua logomarca fosse retirada do uniforme do Operário.

O Operário de Várzea Grande disputa a primeira divisão do Campeonato Mato-Grossense. A estreia da equipe na competição será em casa nesta terça (21) contra o Poconé, no Dito Souza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.